30 de mar de 2010

Auditoria Cidadã

Com mais de 2 trilhões de Reais em dívida pública, grande parte das arrecadações da União são desviadas para o pagamento do serviço dessa dívida. Em 2009, foram pagos 380 bilhões em juros e amortizações (cerca de 32 vezes o que foi gasto com bolsa família ou 35% do orçamento anual.) A história da nossa dívida é repleta de histórias mal-contadas e é muito possível que o povo brasileiro esteja sendo roubado, no sentido estrito do termo, em sifras muitíssimo maiores que aquelas oriundas dos escândalos políticos cotidianos. Numa tentativa de rever essa questão, está em andamento uma comissão parlamentar sobre a Dívida Pública, é a CPI da dívida. Acompanhem no site:

http://www.divida-auditoriacidada.org.br/

12 comentários:

Felipe Scott disse...

Depois do problema da balança comercial(BC) ser cotada monetariamente e não através do valor, vemos que a questão principal é a balança de serviços(BS) não a BC que é bem menor em volume se comparada com a BS no âmbito das transações comerciais. A BC é favorável monetariamente, mas a BS tem um défict gigantesco e em sua maior parte por captação de crédito no exterior (pasmem, o setor privado tem grande parcela nessa captação que leva grande parte da riqueza nacional através de juros pagos ao capital extrangeiro).
Agora, o que me vem a cabeça é se o BNDES é maior e mais volumoso monetariamente que o FMI desde a década de 60, porque pegamos e continuamos pegando tanto impréstimo do exterior? Isso da algum debate em Macro, mas acho que acabaremos na velha e necessária Política.

fejuncor disse...

Embora esteja crescendo como nunca no atual governo, o serviço dos juros consome menos de 5% do PIB. E os outros 37% do PIB torrados pela corruptocracia? Não há solução para a dívida além de reduzir gastos. Mas vivemos no país do culto ao "pai estado", sobretudo da metade do Brasil acima. O país de vários mensalões, mensalinho do Severino, Satiagraha, licitações “suspeitas”, anões do orçamento e um sem-número de casos de desvio do dinheiro de nossos impostos. Donde se apreende conclusão muito óbvia: reduza-se os impostos que alimentam a corrupção que será possível aumentar o tamanho do Estado como gosta o PT. A União, hoje, concentrando 80% de toda arrecadação, é uma tremenda trambicagem. Não é a toa que Lula, o mais corrupto presidente da história, trava uma cruzada contra o TCU.

fejuncor disse...

Corruptocracia: Todo poder emana da corrupção e em seu nome será exercido.

Só haverá ação onde houver corrupção.

Josué Jonas de Lima disse...

Aconselho que se dê uma olhada aqui:
http://www.divida-auditoriacidada.org.br/config/graficoorcamento2009.jpg/image_view

A absurda carga tributária brasileira é o que é por conta da dívida, e cresce pelo mesmo motivo. Em 2009, 35,57% do orçamento da União foi para o pagamento e amortizações da dívida! (sem contar o que foi refinanciado). Enquanto isso a educação ficou com míseros 2,88% do orçamento.

Josué Jonas de Lima disse...

Os escândalos políticos (anões do orçamento, mensalão etc.) têm servido apenas para habitar o imaginário da população e as folhas de jornal ao longo do tempo, enquanto as questões mais cruciais passam despercebidas.

fejuncor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
fejuncor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
votuporanga disse...

Entre 2003 e 2007, o petismo repassou R$ 12,6 bilhões a 7.700 ONGs por meio de 20 mil convênios e outras modalidades de vinculação. É muito dinheiro que sai dos cidadãos na marra e vai para os "amigos do rei". Não é a toa que a divida não para de crescer...

fejuncor disse...

Já conheço a lengalenga. Não é o primeiro que usa essa proporção entre dívida e o orçamento, de forma sensacionalista, como se o problema fosse a dívida em si e não quem a cria.

Ora a dívida existe. O governo gastou (e repito continua, vide o déficit nominal crescendo não obstante o débito de quase R$ 1,5 trilhão) mas o ponto é a relação dívida/PIB passível de redução com responsabilidade fiscal, ie, despesas correntes ao menos não crescendo mais que a expansão da economia – o que não ocorre, dado o inchamento estúpido da folha por motivos até ideológicos pelo PT (os custos com pessoal da União subiu R$ 25 bilhões em apenas dois anos) e corrupção, que, diferente de ti, não imputo algo secundário que apenas
“habita o imaginário do povo ao longo do tempo”
Se acha que é coisa da nossa imaginação, amigo, a coisa ta feia... EUA, aquela nação pequena e miserável, 9 mil cargos comissionados. Nós: 20,5 mil. BNDES, o grande ralo por onde o dinheiro do povo escoa. Só no assalto praticado pela Oi-BrT, como aval da Dilma, foram 6 bilhões: só em uma roubada que foi mais complicada pq exigiu mudança na Constituição. Não vai querer que esfregue mais exemplos na sua cara, não?

É sem dúvida um governo extremamente corrupto. A maior estrutura de corrupção do hemisfério ocidental. Acho que passarei mais vezes pelo blog para desconstruir estas mentiras.

Josué Jonas de Lima disse...

I. Que a corrupção é um grave problema, é verdade. Que o governo Lula é corrupto, também é verdade (dado que a corrupção é um problema estrutural, pelo menos no Brasil).

II. É um erro achar que a dívida existe porque em determinada época o Estado gastou. Temos superávit primário desde 1994! E Se fosse assim a auditoria da dívida seria inútil; ora, ela serve justamente para descobrir qual parte da dívida é na verdade indevida, fruto de contratos falcatruosos, manipulações políticas, interesses estrangeiros etc. Não é por nada que a dívida salta de 50bi para 700bi exatamente no momento histórico em que o Estado brasileiro mais diminuiu investimentos e gastos sociais (1990-2002), (A dívida cresce de 32,5% do PIB em 1994 para 57% em 2002) ao mesmo passo em que os gastos correntes subiam e subia também a carga tributária!

III. Não querendo comparar, mas a França tem mais de 100% do PIB em dívida que, porém, compromete apenas 5% do orçamento. O Brasil com 60% do PIB compromente 35% do orçamento!

fejuncor disse...

Não falei porque o Estado gastou, falei porque o Estado ROUBOU. Fizeram uma grande jogada. Como a dívida externa era em dólar e o dólar estava caindo, eles a converteram em reais, que estava subindo. Além disto, a dívida externa era especificada, cada devedor era responsável pela sua parte, e agora é o erário que arca com toda a dívida. Outra: O PT antecipou uma parcela do pagamento ao FMI(e não precisava fazê-lo) quando o câmbio estava em depreciação. Tivesse pagado sua dívida no prazo certo, teria desembolsado bem menos reais em razão da queda do dólar. Quem foi o “neoliberal” que obrigou o Brasil a fazer essa besteira? Pois é.

E por ai vai.... Não há dúvida de que há evasão e descaminho nesse esquema.

Por isso em outros foruns respondo com o bordão acima.

Quinta da Canoa disse...

Os governos dos outros países têm interesse em que o governo do Brasil seja bem corrupto e bem ignorante. Isso é bom para eles.