15 de nov de 2008

119 anos de República

          Por mais que a história da Proclamação da República nos seja confusa e repleta de fatores que não a colocam como um movimento revolucionário – e o símbolo mais emblemático é a ausência da participação popular, sem esquecer que levou ao poder os mesmos consevadores que antes eram partidários do império –, mesmo assim seu acontecimento é de vital importância para o estabelecimento da liberdade e da participação do povo na política. Certamente teria sido mais vigorante para o Brasil uma verdadeira revolução como foi a Revolução Francesa, mas, enfim, o grande problema é que não havia no Brasil uma burguesia forte e revolucionária como existia na França; na verdade, uma revolução mais emblemática para o país só viria 41 anos depois com Getúlio Vargas; na época da proclamação, o único grupo com força para derrubar a Monarquia, eram os conservadores, que tinham o apoio dos militares, e assim o fizeram.

brazaobrasil          A grande questão é o que o movimento republicano  representa para o Brasil, e ele representa seguramente a possibilidade de ação popular, seja pelo voto, seja pela liberdade de expressão, seja pela garantia de um governo comprometido mais com o povo do que interesses de uma minoria. Ele representa o reinado do povo, e não de uma única pessoa. É bem verdade que a história que se seguiu foi muito conturbada, os direitos que deveriam advir de um sistema republicano, foi muitas vezes negado ao povo. Foram anos de manipulação das votações, alternância acordada de poder, golpes contra os governos nacionalistas, ditadura militar, enfim, foram anos obscuros e difíceis para a consolidação do sonho de República democrática e voltada aos interesses nacionais.

          A constituição de 1988 marca uma nova fase da nossa República. Ela é a imagem da República que vivemos hoje, uma república democrática. É certo que ainda temos, por exemplo, uma mídia muito concentrada que não raramente costuma direcionar o resultado das urnas de acordo com os seus interesses, mas o grande consenso, é que agora o povo pode escolher. A partir de agora, o grande desafio para a república brasileira, é exterminar de uma vez por todas os interesses alheios aos interesses da nação que ainda insistem a tomar as rédias do poder em algumas decisões. Falta ao povo brasileiro ter mais voz, ter mais ação. O Brasil não pode ficar fardado a aceitar as decisões que lhe abnegam os direitos que se fazem necessários a consumação da prioridade número um: O bem geral da nação.

          A República ainda não está em sua plenitude no Brasil. As forças anti-democráticas ainda são fortes, as forças neoliberais ainda são mandantes, e isso destroe o sonho nacional, destroe o poder popular. Temos que lutar para manter a República viva e em constante aperfeiçoamento – leia-se democrática, nacionalista e em favor do povo.

Um comentário:

Joao Melo disse...

Josué, você tem razão. Por que não divulgarmos nossas idéias e opiniões. Parabéns pelo seu blog.
Abração do amigo, aqui direto da floresta amazônica.
João Melo